UOL - O melhor conteúdo EMAIL ASSINE O GAZETA

A população é que paga a conta – Edison Pires


5 de novembro de 2019 l Atualizada em - 5 de novembro de 2019 às 16:27

O que está acontecendo com o transporte público de nossa cidade? Ao que me parece existe um desacordo entre empresa e sindicato, e, em alguns momentos em torno de assuntos jurídicos, o que impede que o serviço, por pior que seja, atenda a população. Para não fugir à regra, é sempre do lado mais fraco que a corda arrebenta, ou seja, o lado do usuário, daquele que mais precisa!

Tenho acompanhado aqui na empresa, naquele momento do cafezinho, que alguns colaboradores estão confidenciando que já sentem saudades dos atrasos e das quebras dos ônibus. Explicam que pelo menos, em algumas viagens, conseguiam chegar ao seu destino. “Agora nem ônibus passa!”, comentam.

O que me preocupa nessa história toda é que quando começamos a sentir saudades das coisas ruins, dos serviços que não funcionam e até daquilo que nos prejudicava, quer dizer que a situação atual está ainda pior. Sentir saudade do que não nos era bom, é quase o fim da picada, né não?!

Esse drama vem se arrastando há meses com greves; com comissões apurando sei lá o quê (porque nunca vi resultado algum e nem relatórios); com reuniões (que cada vez mais estão mostrando que para pouco serviram); com promessas; com prazos antigos, prazos novos; com punições (?). São meses de um verdadeiro “faz de conta” que não levaram a lugar algum. Mas que acertaram em cheio a população, principalmente aquela parcela que necessita do transporte público não apenas para trabalhar, mas para compromissos pessoais e até de lazer. Sim! O povo tem direito à lazer e muito mais, para quem ainda não sabe!
Claro que nessa história toda tem o lado dos trabalhadores do transporte público, os quais têm que ter os seus direitos assegurados; tem o lado da empresa; há questões contratuais e judiciais, etc e tal. Mas, todos esses direitos não podem se sobrepor às necessidades daqueles que necessitam do transporte público. Afinal o serviço é para atender a população que, aliás, é quem paga a conta literalmente.

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade