UOL - O melhor conteúdo EMAIL ASSINE O GAZETA

A Saga da Marmota – Tatiana Munhoz


26 de janeiro de 2020 l Atualizada em - 24 de janeiro de 2020 às 11:50

Para quem não sabe, as marmotas pertencem à família dos roedores e são parecidas com os esquilos. Umas fofas. Por outro lado, uma marmota ou marmotagem em termos populares, remete às ações de desonestidade, artimanha e armadilha contra alguém.

O ano ainda nem começou e já ouvimos burburins e desavenças entre residentes da cidade sobre seu futuro paradeiro, lembrando ser esse um ano eleitoral. Araçariguama é sim uma cidade próspera e bem localizada geograficamente, mas, que entra ano e sai ano, não muda a politicagem marmota que enraizou em suas características e, não se sabe ao certo, quem é quem na jogada.

Um diz uma coisa, outro diz outra, e muitos dizem muitas coisas, mas a realidade é que a população sofreu, sofre e sofrerá se não houver, de imediato, uma medida saneadora de crises a longo prazo.

Nada é feito de forma sustentável, algo que seja duradouro e não tenha placa de partido ou referência pessoal. É a partir dessa época do ano que políticos e aspirantes ao cargo público se tornam as pessoas mais bipolares que você irá conhecer. Isso se deve à competição pelo poder a qualquer preço e o que a sua influência pode trazer.

As instabilidades e as inseguranças da comunidade são um prato cheio para “pessoas bem intencionadas” que são formadas pela escola da vida na área de comunicação e marketing, especialistas em “propagandas”. Essa a estratégia associada à ciência que desperta nos eleitores desejos que não condizem com a realidade.

Dirigir uma cidade, um estado e um país não é como dirigir uma empresa. Muitas pessoas acreditam que, se alguém é próspero, poderá ser capaz de administrar um cargo público, transformando seu setor em algo mais próspero ainda. Existe a questão do dinheiro alheio envolvido. Todos sabemos que o dinheiro não é a raíz de todos os males e, sim, o amor por ele.

Pessoas que almejam fazer algo pela sociedade em que vivem devem, em primeiro lugar, ter um julgamento equilibrado sobre si mesmos, nem mais nem menos, além de ser capazes de trazer seus talentos para a mesa, com o fim de aplica-los no desenvolvimento para o bem de todos. Mas, muitas vezes, não é isso que acontece. Após serem eleitos, o dinheiro e o poder cobiçam suas mentes e é aí que a política e a empresa começam a mostrar características totalmente diferentes.

Não tem como emagrecer sem fechar a boca. Não tem como salvar dinheiro sem parar de gastá-lo. Não tem como governar sem princípios e valores. O povo sofre quando os governantes são desonestos.

A marmota, no inverno, pode permanecer hibernada por até 7 meses. Que possamos, desta vez, agir ao contrário, e fazer a história, reagindo contra a marmotagem que logo se nos apresentará.

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade