EMAIL ASSINE O GAZETA

Boeing cai e deixa ao menos 170 mortos no Irã


8 de janeiro de 2020 l Atualizada em - 8 de janeiro de 2020 às 10:15

Foto: AP Photo/Ebrahim Noroozi

Um Boeing 737 da Ukraine International Airlines caiu na manhã desta quarta-feira, 8, logo após decolar do Aeroporto Internacional de Teerã com destino a Kiev, matando ao menos 170 pessoas a bordo, revelou o Crescente Vermelho.
“Diante das evidências, é impossível que os passageiros” do voo PS-752 Teerã-Kiev “estejam vivos”, disse um alto funcionário do Crescente Vermelho iraniano à agência de imprensa semioficial ISNA, precisando que havia 170 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes da companhia ucraniana.
A agência oficial IRNA também informou a morte de “todos os passageiros”, mas revelou que havia 176 pessoas no avião.
Citando um porta-voz do Aeroporto Internacional Imã Khomeiny de Teerã, a Irna precisou que a bordo estavam 167 passageiros e 9 membros da tripulação.
Já um alto funcionário do ministério ucraniano das Relações Exteriores, Vassyl Kyrylytch, disse à AFP que “segundo informações preliminares havia 168 pessoas a bordo” do avião da Ukraine International Airlines que decolou de Teerã.
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, confirmou que todos a bordo do Boeing 737, “passageiros e tripulantes”, morreram no acidente com o Boeing 737.
“Segundo as informações preliminares, todos os passageiros e membros da tripulação estão mortos”, escreveu o presidente Zelensky no Facebook.
“Nossa embaixada está a procura de informações sobre as circunstâncias desta tragédia e a lista de mortos”, acrescentou Zelensky.
Até o momento, a Ukraine International Airlines não emitiu qualquer comunicado sobre o acidente.
A imprensa iraniana revelou que o avião caiu nos arredores de Chahriar, a oeste de Teerã, e foi devorado pelas chamas.
A Isna comunicou que 10 ambulâncias foram enviadas ao local do acidente.
Um vídeo publicado nas redes sociais mostra o momento exato da queda da aeronave. Nas imagens é possível ver que o objeto explodiu logo após cair no chão.
Fonte: Diário de Pernambuco
Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade