UOL - O melhor conteúdo EMAIL ASSINE O GAZETA

Crônica de uma cidade : “A corrupção, uma vergonha nacional” – Dimas Borg


16 de fevereiro de 2020 l Atualizada em - 14 de fevereiro de 2020 às 10:39

Quando os militares governavam o país, sabia-se que havia muita corrupção, muita mesmo. Mas a falta de transparência não dava ideia do seu tamanho. De qualquer forma, acreditava-se que junto com a democracia viria a solução para o problema. Veio a democratização e junto a percepção de que a corrupção não havia acabado. Ao contrário, ganhou novas formalidades e atenuações com a frase : “É dando que se recebe”. Na época vendeu-se a ideia otimista de que a eleição direta para presidente diminuiria a corrupção. E o povo foi à rua indignado exigindo, Diretas já! Eleito, pelo voto direto, o presidente Collor , com bem menos de dois anos do mandato, foi cassado por corrupção.Após Collor, FHC foi duas vezes Presidente da República e lhe creditaram corrupção na compra de 308 votos de deputados para aprovação da emenda constitucional que permitia a reeleição do Presidente da República. Bem, talvez o problema da corrupção com FHC, fossem além , até os neoliberais vindos com ele na globalização. Então a esquerda principalmente a PETISTA se fortaleceu com esse discurso chegou ao poder com “ Lula” e assim nasceu o“mensalão”.

O caso “Mensalão” é maior que o caso do contraventor Carlinhos Cachoeira,chefe dos exploradores de caça-níqueis? Entendo que não.Esses dois casos de corrupção são os maiores que o país teve até hoje. O caso “ Mensalão e Carlinhos Cachoeira” mostram as entranhas de um sistema corrompido que apodrece em todo o País . Lula, o pai dos pobres, jura que o mensalão nunca existiu. Mas o país soube pela revista Veja, que ele pressionou pessoalmente ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, insinuando que os “companheiros” do mensalão não fossem a julgamento ainda esse ano, lembrando que 2012 é um ano eleitoral, e seu partido seria afetado pelo barulho do escândalo, pasmem!

Convencidos de que afinal a corrupção é mesmo coisa dos políticos, descobriu-se recentemente um esquema de venda de sentenças no Poder Judiciário. A corrupção política traz muitos problemas e todos graves: obras inacabadas ou paralisadas, apesar de pagas; uso de notas fiscais frias e documentos falsos; simulação de licitações ou irregularidades no processo de licitação, incluindo a participação de empresas fantasmas; superfaturamento de preços, falta de merenda escolar e de medicamentos; gastos sem licitação; não comprovação da aplicação de recursos; favorecimento de empresas, entre outros. Infelizmente a corrupção é tolerada, mesmo que uma minoria queira reagir, sentem-se impotentes pelo descaso e lentidão. A corrupção miúda, que não desvia milhões, mas leva propinas em pequenos contratos, é tão nociva quanto os grandes esquemas, alvos de investigação nacional e de grande repercussão, e ocorre quase sempre nos municípios brasileiros.É da pequena corrupção que decorre a grande corrupção. Chega-se a lamentável conclusão de que no Brasil a corrupção continua a ser um crime sem castigo.

Muitos políticos, notoriamente corruptos, são eleitos e reeleitos com alto índice de votação. Ou seja, o próprio eleitor que fala que é contra a corrupção, fala que é contra os corruptos, vota em corruptos sabendo que são corruptos. Isso é falta de consciência política e de consciência de cidadania, e até mesmo falta de consciência da responsabilidade ética na vida social. A corrupção insidiosa não está apenas na política, passou a ser quase uma condição para a governabilidade.

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade