UOL - O melhor conteúdo EMAIL ASSINE O GAZETA

Crônica de uma cidade “O Tonhão da Rua de Baixo” – Dimas Junior


9 de junho de 2019 l Atualizada em - 9 de junho de 2019 às 15:06

Antônio João Bala era o  “Tonhão”, e ficou assim conhecido como “Toni”, na escola e se transformou num garoto valentão que espalhava o ódio e terror pelas ruas da pequena cidade.Na Vila Real, mais especificamente na Rua de Baixo, onde morou e cresceu e viveu por pura experiência e sem fundamento científico, em todo caso resumia-se numa tragédia anunciada por causa do temperamento explosivo e que se aflorava sempre quando saia do sério ao implicar com os meninos e meninas na Rua de Cima muitas vezes perdendo algumas brigas de modo inocente não prevendo toda classe de adversidades o que o deixava ,implicante e mau humorado, grosso.Ficou mais conhecido pelo apelido de o valentão o “Tonhão da Rua de Baixo”. Ter sido “esquecido”, ou ao menos, não ter participado das brincadeiras só descobriu anos mais tarde que a realidade era muito pouco o motivo pelo qual zombavam dele, junta-se as características físicas, como ser mais alto e mais forte do que as demais crianças, levando a ter um ar desafiador, de “superior”, possivelmente menosprezando os outros para se sentir melhor. Tinha até uma coroa de rei para demonstrar a sua soberania, mas seus momentos de glória se foram quando tentou duelar com para se tornar o novo “Dono da Rua”, o resultado não foi o esperado: acabou apanhando feio e por isso ficou traumatizado e nunca mais voltou para a Rua de Baixo, até que ele e seus pais mudaram-se para outra cidade. Tonhão estava se preparando para dar uma nova resposta quando a oportunidade surgiu em pormenores e isto não lembrava em nada como em nenhum outro lugar. No  começo de tudo se apresentou ao  “Toni”, um novo recomeço, um novo garoto do bairro, que encantavas todas as meninas principalmente a coleguinha de classe, com quem faz par na peça Romeu e Julieta. Porém, Molina e que só no final da história lhe é revelado que na sua infância havia se mudado do Bairro, porém, depois de tantos anos voltou irreconhecível: alto, bonito, loiro e galanteador. Com novos planos mal intencionados, voltou para se vingar da menina que lhe bateu forte e o humilhou na frente de todos.

O Valentão

De estrutura óssea espetacular, Tonhão tem a estatura de quase três meninos daqueles pivetes garotinhos que usam bermudinhas acima dos joelhos e tem por volta de seis/sete anos, como falar que sua proporção muscular, obtida através de esteróides muita academia, não chega perto de nenhum outro personagem. Tais motivos são mais do que suficientes para o garoto amedrontar qualquer um. Para mostrar ainda mais o seu poderio no Bairro da Rua de Baixo, ele utiliza-se de uma cara e coroa para representar a sua soberania e poder no local, e ai de quem dizer que ela não é de ouro maciço. Com uma coroa, força e cheio de gente com medo dele, não é a toa que ele pode mandar e desmandar no bairro todo o quanto quiser. É claro que para um cara ser assim com certeza ele teve uma infância com algum transtorno. No caso de Tonhão, ele foi um garoto super mimado, em que os pais dificilmente lhe davam atenção, enchendo-lhe de  porcaria bens materiais, comida e  outras coisas mais, somente para ele se adptar a solidão do lar. Crescendo dessa forma, tendo tudo o que todos os garotos sempre quiseram ter não é por menos que ele se sentisse superior, se comparado aos pobres do Bairro. Porém, para o seu maior azar, Tonhão não morava na parte mais desenvolvida do bairro, sendo o seu território restrito à “Rua de Baixo”, a parte mais favelada do local. Sentindo-se mais do que excluído do núcleo principal (e ele era mesmo), Tonhão começou a tocar o terror com os moradores da “Rua de Cima”, cobrando pedágios de “cinco reais por poste que eles passassem”, além de humilhá-los quando o vissem por alí, chegando a distribuir especiais de porradas nos garotos. Nem mesmo os Planos Infalíveis do prefeito conseguiram vencer o enorme Tonhão se não venceram . Por isso que ele ainda é o Dono da Rua de Baixo!

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade