EMAIL ASSINE O GAZETA

Pandemia ofusca evolução do Renault Duster Iconic


12 de maio de 2020 l Atualizada em - 12 de maio de 2020 às 16:43

Fosse em outras circunstâncias e época, a Renault poderia dar maior visibilidade ao novo Duster Iconic, versão topo de linha da montadora. Porém, mesmo em época de pandemia a marca comemora a melhor evolução da linha e procura ganhar espaço maior no mercado.

Parte das inovações podem ser facilmente encontradas num bater de olhos. Na parte externa, por exemplo, o para-brisa esta levemente inclinado e ganhou novos detalhes no visual, que deixaram o SUV com aspecto mais moderno e sofisticado.

A versão Iconic, que tem preço sugerido de R$ 87.490,00, traz uma lista recheada de equipamentos e inclui câmeras com multivisões, alerta de pontos cegos, sensor de luminosidade, chave presencial do tipo cartão, rodas de liga leve de 17 polegadas com acabamento diamantado e apoio de braço entre os bancos dianteiros. Como opcional, pode ter apenas bancos de couro (R$ 1.700) e o chamado Pack Outsider (proteção frontal, farol de longo alcance, alargador de para-lama, friso robusto para porta, barra de teto preta e retrovisor externo preto).

O ponto negativo na parte externa, está nas novas lanternas que se parecem, e muito, com o rival Jeep Renegade. No mais, entre eles as janelas menores, deram uma atualizada no modelo.

Por dentro, a evolução do Duster fica ainda mais evidente. É tudo novo, começando pelo painel, com acabamento de plástico, mas com detalhes acetinados e de uma textura de bom gosto, que impede o refleto e com certa maciez. Além do cluster, o volante também mudou, igual ao da dupla Logan e Sandero, passando a ser multifuncional. Mas a nova central multimídia EasyLink é o grande destaque. Tem 8 polegadas, com pareamento de celular . Entre os recursos mais interessantes da versão Outsider, a Renault instalou quatro câmeras (uma em cada aresta do veículo) que ajudam na hora de manobrar. Também conta com diversas novas funções individuais, que permitem incluir uma foto de cada usuário. E ajuda o motorista a dirigir o mais economicamente possível, com dicas da maneira de condução do carro e dando pontuação conforme o desempenho de cada um.

O que fica mais claro ao volante da versão renovada do Renault Duster é que o carro passou a ficar mais confortável, seja pela maior solidez da carroceria, cuja rigidez torcional aumentou 12%, mas também pelo acerto da suspensão e da nova direção com assistência elétrica, que torna mais fáceis as manobras em baixa velocidade a mantém a segurança conforme o carro ganha velocidade.

Porém, o que deixa a desejar no novo modelo é o motor 1.6 flex, de 120 cv e apenas razoáveis 16,2 kgfm de torque a altos 4.000 rpm, que funciona com câmbio automático, do tipo CVT. E trata-se da única opção de motor para o Duster. O consumo com etanol é de 7,2 km/l (cidade) / 7,8 km/l (estrada). Já com gasolina: 10,7 km/l (cidade) / 11,1 km/l (estrada).

Chegou a vez dos usados: Vendas serão maiores do que a de novos

Entre as mudanças no setor automotivo causadas pela pandemia do novo coronavírus deverá estar a maior diferença de preços entre os carros usados em relação aos novos, de acordo com executivos. “A disrupção das cadeias logísticas e a queda de produção de carros novos fará que os preços deles aumentem muito mais em relação aos carros usados gerando um aumento significativo das vendas de carros usados na comparação com os novos”, é a previsão.

“O mundo não será o mesmo após a crise do coronavírus. Novas tendências devem surgir, com restrições de viagens e aumento na precaução em relação à higiene e aglomeração de pessoas. Dessa forma, ainda que o atual momento não seja vantajoso, no futuro o mercado de seminovos e usados pode crescer de forma considerável”, explica Luca Cafici, CEO da InstaCarro.

Com saída do Fusion, Ka Sedan é o único sedã da Ford no mercado

Não dá para comparar um com o outro. Mas, os dois modelos eram as únicas opções de modelo sedã que a marca norte-americana oferecia aos consumidores. Com a retirada do Fusion do cardápio de vendas neste ano, só restou o Ka Sedan como única opção, o que, segundo comentários de consumidores, pode ser um “tiro no pé” da montadora.

O Fusion era produzido no México e sua saída não é surpresa para ninguém, já que era algo esperado desde 2018, quando a Ford anunciou que passaria a concentrar esforços em picapes e SUVs em todos os mercados onde atua. Mesmo sem confirmar oficialmente a aposentadoria no país, a Ford deixou de importar o Fusion há aproximadamente um ano. Porém, algumas unidades ainda estavam em estoque na rede de concessionárias, daí a decisão de oficializar sua morte apenas agora.

O Fusion chegou ao mercado brasileiro em 2006 e fez bastante sucesso numa época em que brigava com nomes como Honda Accord e Hyundai Azera. O sedã passou por uma reestilização em 2009 e ganhou a segunda geração dois anos depois. Depois de duas atualizações de estilo, o modelo deixa de ser comercializado por aqui e não terá sucessor.

DICAS – Problemas elétricos mais comuns

Além de uma bateria descarregada ou de um sistema de recarga defeituoso por causa de problemas no alternador, os problemas elétricos mais comuns que os proprietários de carro provavelmente terão são falhas em lâmpadas incandescentes. No entanto, existe muitos outros possíveis problemas. Além das lâmpadas, podemos ver problemas elétricos surgindo em muitos lugares, desde o sistema de som até o motor elétrico, passando por problemas nos vidros elétricos ou teto solar ou na bomba de combustível. Muitas vezes a causa pode ser uma fiação ruim, um curto-circuito ou algum interruptor defeituoso.

As lâmpadas, no entanto, estão em primeiro lugar na lista de substituição porque são muitas e são bastante utilizadas. A maioria dos carros, por exemplo, tem no seu interior pelo menos duas lâmpadas, além das luzes de freio, lanternas traseiras, faróis normal e alto, faróis de neblina, piscas e luzes laterais, luz de ré, além das luzes do painel.

As chances são de que, com o tempo, pelo menos alguns deles vão queimar ou parar de funcionar por causa da corrosão ou buracos excessivos de estradas irregulares.

Com outros recursos acionados eletricamente, a causa (e a correção) pode não ser tão simples. Por isso, se qualquer acessório elétrico parar de funcionar, o aconselhável é procurar um profissional. Manutenção caseira em casos mais complicados, podem causar problemas ainda mais sérios.

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade