UOL - O melhor conteúdo EMAIL ASSINE O GAZETA

Super Comida: Super Saúde – Tatiana Munhoz


16 de fevereiro de 2020 l Atualizada em - 14 de fevereiro de 2020 às 10:47

Engraçado esse termo, né? Ele não vem de “Super Homem” ou “Mulher Maravilha”. É a tradução de “Super Food”. Essa terminologia da língua inglesa é designada para indicar quais alimentos são altamente enriquecidos com concentrações de nutrientes e poucas calorias, contendo um alto volume de minerais, vitaminas e antioxidantes.

Todos nós sabemos que não existe um alimento específico que irá ser “o milagroso” e, sim, uma combinação de uma dieta equilibrada, para que haja um bem estar físico, emocional e até intelectual.

Falar em certos tipos de alimentos parece meio modinha, chegando até mesmo ser chacota em alguns casos. Com o desenvolvimento da ciência e a descoberta de muitas intolerâncias alimentares, muitas expressões como “não contém glúten, lactose free, vegano, entre outras”, por certas horas, podem nos deixar um pouco confusos e pensarmos que se não comermos determinados alimentos como chia, quinoa ou cranberry, não estamos nos alimentado adequadamente. Sem contar nos cifrões que começam a surgir em nossas mentes quando checamos os preços das “super foods”.

A boa notícia é que, além dessas “super foods”, existem aquelas que não são tão exóticas assim e que também não podem ficar fora da sua mesa e estão te esperando na prateleira do supermercado ou feira mais próximos. São elas: maça, banana, alcachofra, repolho, cenoura, salsa, cebola, laranja, morango e tomate.

Já é mais que comprovado cientificamente que o bem estar, a saúde e a longevidade, associados a exercícios físicos e técnicas de relaxamento, estão relacionados à prevenção de diversas doenças crônicas e do coração, redução da pressão alta e certos tipos de câncer.

Atitudes simples e práticas como: adicionar a nossa dieta uma variedade de frutas e vegetais; reduzir o consumo de carboidratos e aumentar a quantidade de peixe; diversificar os tipos de grãos; consumir com moderação leite e derivados; reduzir a quase zero o consumo de produtos embalados e empacotados, assim como ingerir mais água no dia a dia, pode parecer indiferente. Mas se queremos impactar nosso planeta para que ele seja um lugar mais sustentável, precisamos ficar de olho no nosso sistema nutricional e repassar esses valores para as futuras gerações.

Outra atitude legal é comprar seus alimentos de acordo com as estações da época e na sua comunidade. Isso gera mais benefícios para a saúde da sua família, pois você adquire os produtos mais frescos sabendo de sua origem, incentivando assim o comércio local criando um vínculo de confiança e reciprocidade.

Escute os conselhos dos mais velhos: “durma com as galinhas, levante-se com o nascer do sol, alimente-se da sua criação e horta, largue o carro e ande”. Confie nos conselhos e tenha uma vida saudável.

Publicidade

Comentar reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade